Michnê Torá de Rabi Mochê ben-Maimon

Voltar para a página principal

Nota imp.: "ch" aqui deve ser pronunciado como em português.

Grandes Figuras do Judaísmo Hispano-Português

Rabi Chemtob Gaguine:

Este grande sábio sefardita da última geração nasceu em Jerusalém a 15 de Elul de 5645 (1885). Seu pai era o grande ĥakham Ishaq, filho do ĥakham Chalom Mochê Ĥai. Estudara na escola "Dorech Sion", e após o período escolar, tornou-se aluno do ĥakham Ia'aqob Alfieh. A seus vinte e três anos foi declarado rabino pelo Bet-Din de Rabi Ĥaim Berlin.

No ano 5673 foi convocado pela comunidade judaica do Cairo para fazer parte do Bet Din local, e ao mesmo tempo fizera parte do Bet Din dos Achkenaziatas.

Nessa mesma época foi chamado pelo ĥakham Ĥaim Naĥum - chefe do rabinato da Turquia - para tornar-se o Ĥakham Bachi de Baghdad (Rabino-Chefe), posto que não aceitou.

Em 5680 tornou-se o rabino da comunidade sefardita hispano-portuguesa de Manchester, e durante o período no qual estivera ali, instituíra algumas normas de estudo no Talmud Torá (escola para crianças), de acordo com o sistema segundo o qual ele próprio foi educado.

Pessoalmente, dera aulas de Talmud e Chulĥan 'Arukh, o que fizera com que logo se tornasse parte do Bet Din dos achkenazim locais.

Um ano após, recebera um convite da comunidade hispano-portuguesa para se tornar o Ab-Bet-Din (principal juíz da corte rabínica) em Londres, tornando-se desde então o líder de ambas as comunidades,sefardita e achquenazita. Em meados de 5689 foi invocado a aceitar sobre si mais uma responsabilidade: tornar-se o líder da iechivá "Ohel Mochê vIhudit", que foi levantada em nome de Moses Montefiore e sua esposa.

No ano 5693 foi declarado pela coroa inglesa o segundo chefe do "Va'ad ha-Rabanim" da Inglaterra, e líder da Iechivá "Es ĥaim" de Londres.

Desde sua juventude, empeçou a ocupar-se de escritos, e publicou muitos discursos no jornal judaico "Ĥabasêlet" em assuntos concernentes a problemas de cunho religioso, por exemplo, a época (sentido escatológico), os "querubim" (classe angelical), o hebraico e sua gramática, etc. No ano 5669 pubicou no jornal judaico citado as leis acerca de cidra (um dos quatro elementos da festividade de Sucôt que devem ser erguidos e movidos em diferentes direçõs, que são: etrôgh, lulab, hadas e 'arabá - ou seja, cidra, rama de palma, mirta e folhas de salgueiro) que é fruto do terceiro ano, ou seja, 'orlá (v.Lv 19:23). O rabino Kook - considerado o pai do "sionismo religioso", concordou com seu escrito para halakhá. Ademais, muitos outros foram seu escritos no "Ĥerut", no "Meassêf", no "Zehab ha-Áres", e em inglês, no "Jewish Chronicle", "Jewish Guardian", "Jewish World", "Jewish Tribune", "Israel Messenger" e outros.

Suas palavras em questões de halakhá foram trazidas nos vários livros dos grandes rabinos da geração passada, como por exemplo "Mochê ha-ich" de Rabi Mochê Elichar, richon le-Sion (rabino chefe da Terra de Israel), "Mipi Aharon", do Rabino Bekhor-Aharon al-Ĥadaf, rabino-chefe de Tiberíades.

Seus livros:

Kêter Chem Tob - compõe-se de esclarecimentos de costumes e suas diferenças entre os sefaraditas hispano-portugueses, os judeus dos países árabes e os achquenazitas, com suas respecticas fontes;
Comentários e averiguações sobre o Midrach Tanĥumá;
Respostas de halakhá para rabinos que a ele se dirigiram de Londres e outras cidades; (ainda em manuscritos)
"O aluno pergunta, e responde-lhe o rabino";
"50 Discursos de acordo com a época";
Esclarecimento sobre as legislações de Riccanti;
"Girsá deianqutá" - esclarecimento sobre diferentes tratados do Talmud;
"Pirqê Chirá" - coletânea de rezas e cânticos para épocas alegres e tristes de nossa história, bem como provérbios de sabedoria e repreensão;
Anotações de viagens pela Espanha e França;

maioria destes escritos encontram-se até hoje em manuscritos, e esperamos que Deus nos faça merecer que vejam a luz pela impressão, aumentando o conhecimento de Torá do povo de Israel.

Rabi Chemtob denota em seus escritos, especialmente no "Kêter Chem Tob", sua posição antagônica ao cabalismo, como é comum aos sefaraditas hispano-portugueses em geral.


Michnê Torá de Rabi Mochê ben-Maimon

Página principal

| Voltar |