| A Torá Oral | Todo o Michnê Torá | Glossário |
| cp 1 | cp 2 | cp 3 | cp 4 | cp 5 | cp 7 | cp 8 | cp 9 | cp 10 |

Capítulo 6


, -- , " - ... - , ' " ( ,-). 1 Todo o que destrói um dos Santos e puros Nomes de Deus, pelos quais Deus é chamado, incorre em pena de látegos por determinção da Torá, pois assim encontra-se escrito acerca da idolatria: "Apagareis seus nomes...asssim não fareis a Ad' vosso Deus!" - Dt 12:3,4.

-- , , , , , , , . , . 2 São sete os nomes [que não podem ser apagados]: o nome escrito IOD - HE - VAU - HE (Tetragrama), que é o Nome Explícito; o escrito ALEF-DAL-NUN-IOD, e EL, e ELOAH, ELOHIM, EHIÊ, CHADÁI, TZEBAÔT. Aquele que apagar uma letra sequer de qualquer um destes nomes, incorre em pena de açoites.

, : ', , -- . , , , -- ; , . , , . 3 Todo prefixo que se ligue ao Nome antecipando-o, é permitido apagá-lo, como a letra "lâmed" de "leha-Chem" ("a Deus; para Deus"), ou "bet" de "bElo-him" (em Deus) - a assim por diante, não se acha sobre estas letras [que antecipam] santidade do Nome de Deus. Porém, todo sufixo, como por exemplo a letra "khaf" de "Elo-hekha" ("teu Deus") e "khaf-mem" de "Elo-hekhem" ("vosso Deus"), e assim por diante, não podem ser apagados, tornando-se como as demais letras do Nome de Deus, pois o Nome que lhes antecede os santifica. E, apesar da proibição de apagá-los, não se castiga por açoites pela Torá, mas castiga-se a quem o fizer com "macat mardut".

, '-- ; , , , . , -- . 4 A escrita Alef-lâmed de ELO-HIM, e "Iod-Hê" do Tetagrama não podem ser apagados, sendo desnecessário dizer "Iod-Hê" - que, sozinho, é um dos nomes, por ser parte do Nome Explíicito (Tetragrama}; mas, se escreveu "Chin-Dalet" de "CHADÁI", ou "Sad-Bet" de "Sebaôt", podem estes ser apagados.

, -- , . 5 As demais denominações através das quais se enaltece o Nome do Santo, Bendito é Ele, como "Ĥanun" (compassivo), "Raĥum" (Misericordioso), "Gadol" (Grandioso), "Gibor" (Potente), "Norá" (Temível), "Ha-Neeman" (O Fiel), "Qaná" (Zeloso), "Ĥazaq" (Forte) e similares, são como as demais palavras sagradas, sendo permitido apagá-las.

-- , . , -- : , . , . -- , ; , . , -- , . 6 Utensílio que leve sobre si escrito o Nome - deve-se cortar o utensílio ao redor do Nome e fazer dele "genizá". Mesmo que estivesse o Nome gravado em utensílio de metal ou vidro, e fundiu o utensílio - este deve ser açoitado - deve cortar o lugar onde está situado o escrito e guardar em "genizá". De mesma forma, se o Nome fora escrito sobre sua própria carne, não pode lavar o corpo, nem untar-se, nem se colocar no local onde haja lixo ou sujeira. Se necessita fazer uma imersão devida por algum preceito, deve amarrar sobre o local onde se acha o escrito no corpo com uma borracha, após o que pode imergir. Caso não ache uma borracha, deve buscar por-se de costas para o local escrito, caso possível. A borracha não deve ser demasiadamente apertada, para que não seja empecilho para a imersão, pois não disseram sobre o amarrar a borracha senão por ser proibido estar nu diante do Nome.

, , --: , " - " ( ,; ,); "- , ' " ( ,). --, " ... - , ' " ( ,-). 7 Quem destruir mesmo uma só pedra dentre as pedras do Altar, ou do Santuário, deve ser açoitado, pelo que está escrito: "Seus altares destruireis" - Ex 34:13; Dt 12:3 - e, está escrito: "Não fareis assim a Ad' vosso Deus!" - Dt 12:4. Assim também quem queimar madeira santificada por destruição, deve ser açoitado, conforme está escrito: "Suas 'acherôt' (árvores dedicadas para idolatria) queimareis a fogo... tal não fareis a Ad' vosso Deus!" - Dt 12:3,4.

, -- ; , . , . , , , ; , , , . , ; , . 8 Todos os escritos sagrados, bem como seus comentários e explanações - é proibido queimá-los ou destruí-los à mão. Quem destrói por mãos, incorre em penalidade de "macát mardut". Em que caso dizemos [que quem destrói incorre em penalidade por haver realizado uma trangressão]? - no caso de escritos que foram feitos por um judeu, em santidade. No entanto, um "min" que escrevera um "Sêfer Torá", este [escrito] deve ser queimado com todos os Nomes de Deus que achem-se nele, pois este não crê na santidade do Nome de Deus, não havendo escrito senão por pensar ser Ele como as demais coisas [profanas]. Sendo esta sua forma de pensar, o Nome [escrito por ele] nã foi santificado, sendo preceito queimá-lo, para não deixar [um bom] nome para os "minim", nem para suas realizações. Mas, quanto ao Nome de Deus escrito por um gentio, deve este ser depositado numa "genizá". O mesmo se faz com Palimpsestos santos que se deterioraram pelo tempo, ou que foram escritos por um gentio.

, ; ", - " ( ,), . --, : "-, . - " ( ,-). , . , . , . 9 Todos os nomes citados por Abraham, são santos, incluindo este que diz: "... Ad', se achei graça perante Teus olhos..." - Gn 19:18,19. Todos os Nomes citados por Lot, são profanos, exceto este: "... Não, Ad', rogo! Eis que achou teu servo graça..." - Gn 19:18,19. Todo os nomes ditos na colina de Benjamin, são santos. Todos os nomes citados no caso de Mikhal, profanos. E, todos os citados em Nevôt, santos.

--, ; : " " ( ,). --, : " , " ( ,), . 10 Todo "Salomão" lembrado em Cantares, é santo, sendo como os demais nomes de Deus, exceto este: "... os mil são teus, Salomão..." - Cn 8:12. Todo "Malkhaiá" (reis) lembrado em Daniel - profanos, exceto este: "Ant Malká, mêlekh Malkhaiá..." ("Tu, ó Rei, és rei dos reis...") - Dn 2:37 - sendo como os demais denominativos de Deus.


| A Torá Oral | Todo o Michnê Torá | Glossário |
| cp 1 | cp 2 | cp 3 | cp 4 | cp 5 | cp 7 | cp 8 | cp 9 | cp 10 |